quarta-feira, 1 de março de 2017

Arrependimento



Quem diria que arrependimento fosse masculino?
Pois parece que é desse sexo que reside sua definição.
Que é quase dessa natureza o dom da falsificação.
E que leva homem supurado a se ver menino.

Quem não erra desconhece esse momento
E o tormento que é ser apresentado a esta palavra.
Sua garra faz do estomago sua mera escrava,
De uma uma angustia que só cura a doses de tempo.

O desprazer de conhecer essa palavra parece infindável.
Não há contrição no mundo que possa esbranquiçar.
É nojo, repugnância, medo da moral enguiçar.
Destruição do ser que outrora era admirável.

Mas é nessa palavra que reside o retorno.
Sem ela muitos nem entenderiam suas ações.
Seriam cegos tateando escorpiões.
Ou orgulhosos abraçando o transtorno!

Nenhum comentário:

Postar um comentário