quarta-feira, 1 de março de 2017

Arrependimento



Quem diria que arrependimento fosse masculino?
Pois parece que é desse sexo que reside sua definição.
Que é quase dessa natureza o dom da falsificação.
E que leva homem supurado a se ver menino.

Quem não erra desconhece esse momento
E o tormento que é ser apresentado a esta palavra.
Sua garra faz do estomago sua mera escrava,
De uma uma angustia que só cura a doses de tempo.

O desprazer de conhecer essa palavra parece infindável.
Não há contrição no mundo que possa esbranquiçar.
É nojo, repugnância, medo da moral enguiçar.
Destruição do ser que outrora era admirável.

Mas é nessa palavra que reside o retorno.
Sem ela muitos nem entenderiam suas ações.
Seriam cegos tateando escorpiões.
Ou orgulhosos abraçando o transtorno!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Informação


Está tudo dado!
Quem não busca fica desinformado.
Sua ideia a um dedo de click...
E você ai dando chilique
Compartilhando desenfreado.

Mas fique atento!
Nem tudo que se lê é conhecimento
Mentiras repetidas se tornam verdade.
E a mídia com sua sagacidade
Vai vendendo distorção com sangramento.

Em tempos de crise,
Devemos manter os olhos de ouvinte,
Desses que olham pro nada, mas atentos a tudo
E garanto que por menos de um segundo
Tudo será tratado como meninice.



quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Beijo Grego

Olhe bem pra esses lábios.
Pra eles minha devoção.
Escorro os dedos nesses lábios.
Descobro que eles querem ação.

A língua passa pincelando.
E encharca esses lábios sem pudor.
Adora esse cheio inconfundível.
Torcendo pra causar logo tremor.

Gosto dos teus olhos a mirar.



sexta-feira, 19 de junho de 2015

Sem ela...



Sem ela sou fome constante
Delirante e cheio de solidão.
Sugestão imposta a minha vida
A saída é mesmo esperar.

Sem ela sou insônia.
Rio amazônia povoado minha cabeça.
A sexta passou com pouco agito
Atrito que o calor transmite.

Sem ela sou solitário.
Nem o imaginário consegue dar consolo.
Contorno que eu não consigo dar
Ah noitesinha miserável! 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Na boca



Quando ela me bota na boca e me beija
Nasce inevitavelmente um brilho no olhar.
Ainda que tímido eu esteja os sentidos parecem acordar.

Quando ela me bota na boca e me lambe
Pareço ter recebido na cabeça
Uma explosão de nebulosas a gerar estrelas

Quando ela me bota na boca e me suga
Fico congelado e irredutivelmente entregue
Pareço ser um escravo. Sou tudo que "não se deve"!

Quando ela me bota na boca e me engole
Sou tetraplégico, paralítico, sou demente
Mover-se é uma tortura e respiro sorridente.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

O que tem para conversar?



Você viu naquele blog, que os impostos aumentaram?
No site do Jornal escracharam a corrupção.
Aquela bbb agora está mais magra...
O que tem pra gente conversar?

Ninguém leu meu poema;
Todo mundo riu daquele vídeo;
E aquele cara chato curtiu a sua foto
O que tem pra gente conversar?

Houveram vários comentários...
Aquela menina vai ser mãe.
O Junior me exclui do face!
O que tem pra gente conversar?

Todos cantam aquela música ridícula.
E tem agora o quadradinho de 12.
Samuel ri do sangue no chão...
O que tem pra gente conversar?




quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

O suicida!



Ele disse que não era nada! Que talvez fosse apenas má digestão.
Ele estava à alguns dias em casa. Não saia nem por um tostão.
Ele pensa que ninguém o olha. Sente que é um submarino fora do radar.
E pensando nisso ele chora. Quer a vida seja mais do está.

Você precisa falar comigo
Você precisa falar com alguém
Você precisa ver os seus amigos
Você precisa se importar com alguém.

Ele esquece que à vida no outro! Que se amar é também se entregar.
Ele vive nessa paranoia de que todo mundo vive em bem estar.
Ele não sabe de uma notícia. Eu também não vejo mais TV.
E esse isolamento só lhe prejudica. O mundo está ai pra gente vê.

Eu preciso falar contigo.
Eu preciso falar com alguém
Eu preciso ver os meus amigos
Eu preciso me importar com alguém.