quarta-feira, 2 de maio de 2012

Saltitante.


Estou tentando não parecer criança
E confesso que está sendo uma tortura.
Que a vontade aqui dentro é só doçura.
Vergonha de te puxar para uma dança.

Pois pula aqui dentro um menino
Que como um sino tem vontade de avisar,
Que as alegrias vividas pra acalmar,
São tão distintas quanto a força de um hino.

O meu desejo é que a demora diminua
E nosso encontro acelere.
Pra estar contigo outra vez de cara nua,

Pra que o tempo seja alegre.
Pois a minha mente é tua
Bem saltitante, fervorosa, como uma lebre.

2 comentários:

  1. puxa, que incrível. acho mó difícil fazer soneto, contar as sílabas e ainda deixar tudo belo! voltarei aqui e vou fazer um link! :) eliza

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado e volte mesmo.
    :)

    ResponderExcluir